Violonistas eruditos e de cifras

A excelência musical de violonistas eruditos é alcançada por meio de aspectos relacionados à leitura, à digitação técnica e ao rigor no processo de interpretação musical, enquanto para os violonistas de cifras, é alcançada por meio de conceitos relacionados à prática da improvisação, da exploração da experiência auditiva, da interpretação livre e da criatividade musical.

Fica evidente que ambos possuem qualidades diferentes, porém, não há definição absoluta em relação à diversidade na comunicação emocional transmitida por eles. Isso se dá, em parte, porque violonistas de cifras podem adquirir técnica muito apurada, mesmo sem se dedicarem à prática de leitura musical tradicional por meio de métodos convencionais, tornando o resultado sonoro obtido semelhante ao produzido por violonistas eruditos.

Os violonistas de cifras tocam suas músicas guiados por acordes cifrados, mesmo que eles saibam ler partituras, não estará nela o foco de seus arranjos e composições. Violonistas que tocam por cifras alfanuméricas podem adquirir muita técnica, tanto para execução, quanto para composição de peças e arranjos, porém, seus sentidos estão sempre voltados para o bom uso da harmonia cifrada e das técnicas de improvisação. Compositores de canções ditas “populares”, singelas ou sofisticadas, têm suas obras analisadas e executadas por cifras; algumas análises mais precisas apresentam a melodia em partitura e a harmonia cifrada.

Os violonistas eruditos (ditos clássicos), focam todo o seu trabalho na partitura: estudos, composições, arranjos, interpretações, etc., mesmo conhecendo as cifras. Os arranjos para violão clássico apresentam na partitura, além da melodia, a harmonia (acordes) com suas vozes, muitas vezes adaptadas, por serem composições originais para piano ou orquestra. 

O Prelúdio nº3, de Heitor Villa-Lobos, é uma peça típica para violonistas eruditos, porém ao analisá-la, encontramos em seus primeiros compassos, uma série de movimentos com acordes m7(b5) utilizando toda a extensão do braço do instrumento com as cordas mi, si, sol e ré (1ª, 2ª, 3ª e 4ª); utiliza também, o diagrama do acorde B7, sem pestana, formado a partir da primeira casa, se movimentando para a sétima e sexta casa; além de fazer arpejo do acorde F#7 começando na sexta corda, segunda casa (nota fá sustenido), encerrando na primeira corda, décima primeira casa (nota mi), movimento empregado em técnica de improvisação para violão e guitarra.

Deve-se considerar os termos “violão clássico” e “violão popular”, conotativamente relacionados aos conceitos acima citados, ou seja, violonistas eruditos e violonistas de cifras. O termo “tocar por música” se refere à leitura tradicional de partitura, dando a ela status de superioridade. Este mesmo termo é adaptado para outros assuntos, como os jogos, por exemplo: – ele joga por música (futebol, sinuca, etc.). Estes termos, embora ainda sejam ouvidos, não são mais tão comuns. Talvez, isso se tenha dado pelas mudanças de conceitos em relação a ambos, que surgiram, possivelmente, por causa de uma aproximação entre as técnicas, tanto de execução quanto de leitura.

Obrigado pela visita!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.