Teoria do conhecimento

O três períodos da filosofia grega

Após uma existência predominantemente marcada pelo plano divino, o surgimento da escrita, da moeda e dos legisladores, apresenta uma nova concepção para a humanidade, o cidadão e o filósofo. Então, os gregos formam uma escola filosófica com influência até os dias atuais, costumeiramente, dividida em três períodos:

PERÍODO PRÉ-SOCRÁTICO (séculos VII e VI a.C.): marca o início do desligamento entre a filosofia e o pensamento mítico.

PERÍODO SOCRÁTICO OU CLÁSSICO (séculos V e IV a.C.): tendo Atenas como centro cultural, e como personagens, Sócrates, seu discípulo Platão, e posteriormente, Aristóteles, que foi discípulo de Platão. São desse período, os sofistas, que eram muito criticados por seus contemporâneos.

PERÍODO PÓS-SOCRÁTICO (século III e II a.C.): a expansão macedônica sobre os territórios gregos e a formação do império de Alexandre Magno, marca este período. A influência oriental marca, após a morte de Alexandre, a época helenística, com duas correntes filosóficas, estoicismo e epicurismo, que são as principais expressões do período pós-socrático.

Heráclito e Parmênides, dois filósofos pré-socráticos

  • Heráclito (tudo flui)

Nascido em Éfeso, na Jônia, (atual Turquia), viveu de 544 a.C. a 484 a. C., teve sua visão baseada na multiplicidade do real. “Nunca nos banhamos duas vezes no mesmo rio”, pois na segunda vez não somos os mesmos, e também o rio mudou. Para ele, essa multiplicidade se dá porque o ser está constituído de oposições internas, “a guerra é pai de todos, rei de todos”, e é da luta que nasce a harmonia, como síntese dos contrários. Heráclito teve a intuição da lógica dialética, que foi elaborada por Hegel e depois por Marx, no século XIX.

  • Parmênides (o ser é imóvel)

Viveu (c.540-c. 470 a.C.) em Eléia, cidade do sul da Magna Grécia (atual Itália) e é o principal expoente da chamada escola eleática. Ele influenciou decisivamente o pensamento ocidental e criticou fortemente a filosofia de Heráclito, tendo por absurdo considerar que uma coisa pode ser e não ser ao mesmo tempo, baseando-se no princípio do qual “o ser é” e o “não ser não é”.  Os lógicos chamaram isso de princípio de identidade, base da metafísica posterior.

Os sofistas

No período áureo da cultura grega (V a.C.) viveram os sofistas, e alguns foram interlocutores de Sócrates. Os mais famosos foram: Protágoras (485-411 a.C.); Górgias (485-380 a.C.); Híppias; e também, Trasímaco, Pródico, Hipódamos, entre outros.

A palavra sofista quer dizer “professor de sabedoria”, mas adquiriu o sentido pejorativo de “homem capcioso”, provavelmente devido às críticas feitas por Sócrates e Platão em relação a eles. Os sofistas formularam um currículo de estudos: gramática (como iniciadores), retórica e dialética; por influência dos pitagóricos, eles desenvolveram a aritmética, a geometria, a astronomia e a música.

 Sócrates, Platão e Aristóteles

Sócrates (c.470-399 a.C.) embora tenha sido incluído entre os sofistas, recusava a classificação e se opunha a eles de forma crítica. Ele nada deixou escrito, seus discípulos Xenofonte e Platão divulgaram suas idéias. Sócrates foi condenado e morto, sob a acusação de não crer nos deuses da cidade.

Ele criou seu método do conhecimento e o dividiu em duas partes chamadas ironia (em grego, “perguntar”) e maiêutica (em grego, “parto”).

A primeira chamada ironia (em grego, “perguntar”), considerada destrutiva, partindo, em suas discussões, do pressuposto “só sei que nada sei”; onde, hábeis perguntas feitas por ele a outra pessoa dita conhecedora de um determinado assunto, tem por objetivo convencê-la de sua ignorância.

A segunda chamada maiêutica (em grego, “parto”), nome em homenagem a sua mãe, que era parteira. Esta parte consiste em criar novas idéias, ou “dá-las à luz”.

Platão (428-347 a.C.) fundou em Atenas, onde viveu, a escola denominada Academia. A síntese de seu pensamento está ilustrada no “mito da caverna”, onde ele imagina os homens acorrentados em uma caverna desde suas infâncias, tendo um deles se soltado da corrente e visto a luz, ao voltar e contar aos outras não os consegue convencer.

De Sócrates, seu mestre, aproveita a nova noção de logos, e ao continuar a busca da compreensão do real, cria a palavra ideia, para referir-se à intuição intelectual.

Alguns teóricos interpretam o pensamento de Parmênides e de Platão como representantes do idealismo, que é uma expressão do pensamento moderno, no momento em que a teoria do conhecimento se torna reflexão autônoma.

Aristóteles (384-322 a.C.) nasceu em Estagira, na Calcídica (região dependente da Macedônia), e seu pai foi médico do rei da Macedônia, Felipe, do qual o filho Alexandre foi discípulo de Aristóteles, até assumir o poder precocemente na expansão do império. Frequentou a Academia de Platão e foi criticado por sua fidelidade ao seu mestre, para as quais se justificou dizendo: “Sou amigo de Platão, mas mais amigo da verdade”.

Aristóteles é autor de uma extensa obra que é uma dos grandes sistemas filosóficos. Fundou o Liceu em Atenas, em 340 a.C., vizinho do templo de Apolo Lício.

Resumo de conteúdo, 1º semestre de Educação Física, Érica Barcellos

Uma opinião sobre “Teoria do conhecimento

Obrigado pela visita!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.